quinta-feira, 18 de junho de 2009

Fui dormir jornalista, acordei sem profissão...

Foi assim mesmo: a partir de hoje, segundo os ministros do STF, no Brasil não há mais a profissão regulamentada de jornalista. Por oito votos a um, não há mais a obrigatoriedade de graduação para o exercício da profissão etc.etc.

Segundo o relator, ministro (arrrrrrrrrggggggggggggggggggggg!!!!!!!!!), Gilmar Mendes, é uma atividade que não acarreta danos físicos sobre outros; era um resquício da ditadura militar que afetava a liberdade de expressão, blá blá blá “O jornalista é um profissional diferenciado por se dedicar inteiramente è liberdade de expressão", disse. "A formação acadêmica não pode ser a única responsável pela formação do profissional, mas deve servir como base", completou. "A Constituição Federal de 1988, ao garantir a ampla liberdade de expressão, não recepcionou o decreto-lei 972/69, que exigia o diploma", afirmou por fim
***
Poucos dias depois de acabarem com a Lei de Imprensa, a novidade foi a extinção do diploma de jornalismo e atividades correlatas. Imagino que se encaixem aí atores, cineastas, relações públicas, publicitários....
***
E pensar que deixei uma pequena fortuna na PUC do RS. E pensar que, apesar dos diletantismos de quatro anos de faculdade, bem longe da prática do jornalismo, ainda assim aprendi alguma coisa.
***
Agora quem quiser que aprenda na prática sobre ética e lide; sobre barriga, olho, chapéu... Para donos de veículos de comunicação e editores safados é bem melhor ter alguém despreparado ou alienado pra explorar! E sobre ciências da comunicação, semiótica, semiologia...é mole?
***
A safadeza é tanta, que ministro algum decretou o fim das universidades de comunicação. Por que não? Ou será que alguém vai pensar em freqüentar (e pagar) quatro anos de graduação se pode conseguir escrever em revistas, jornais, sites, sem investimento algum?
***
E pra fazer Relações Públicas, Publicidade & Propaganda, Turismo, Marketing...precisa de diploma por quê? Sendo assim, por que um bom pedreiro pode ser arquiteto também?
***
Eu hein?! País de merda. Depois todos vêm com o discurso sobre qualidade da educação. Mais fácil acabar com ela né? E benéfico também- pro bolso, pros políticos...
***
Bom, já que não sei como irei me aposentar, já que não tenho mais profissão, nem vou fazer outra faculdade (vai que eles decidam acabar com o diploma tb né?) agora vou procurar mais uma profissão que não precise de diploma e vou ser mais multimídia do que fui tendo que ser jornalista. Sim, pq nos últimos anos, só com muiiiito jogo de cintura. Hmmmmmmmm....político talvez? arrggggggggghhh
Chega de hipocrisia! Fechem logo as portas das universidades de jornalismo. Pelo menos não enganariam mais ninguém. Provavelmente isso nunca vá acontecer. Há interesses em jogo – e dinheeeeeiiiiiiiirooooo.
***
Pelo Sertesp, falou a advogada Taís Borja Gasparian. Segundo ela, a exigência do diploma é incompatível com a Constituição Federal em aos menos três pontos, entre eles, a liberdade do exercício de qualquer trabalho e a liberdade de manifestação de pensamento e expressão.
***
Quem quiser se expressar que escreva um livro, pinte um quadro, faça uma escultura.. Ou crie um blog, escreva cartas para os veículos de comunicação...
***
Além disso, de acordo com advogada, o diploma de Jornalismo não de faz necessário, já que a profissão não exige especificidades técnicas. "O Jornalismo é uma atividade intelectual, desprovida de técnica específica. Exige-se, na verdade, técnicas de assimilação e difusão de informações, formação cultural, domínio do idioma, retidão de caráter, compromisso com a informação e com o público", disse.
O Sertesp defende, ainda, que a discussão pelo diploma é nada mais uma disputa entre a reserva de mercado e o interesse público.
***
"Nos Estados Unidos, embora a maior parte dos profissionais tenha cursado o Jornalismo, o diploma não é exigido, assim como na Itália e Alemanha", finalizou Taís.
***
Embora já soubesse que isso poderia acontece um dia, tinha a esperança de que na prática, isso nunca chegasse a acontecer.
***
Quero meu dinheiro de volta! E estou vendendo o meu diploma pra quem quiser emoldurar.
Deixo a lista dos autores desse suicídio.
***
Antes leiam um dos comentários mais coerentes sobre o assunto em http://trasel.com.br/blog/?p=22, link mandado pelo meu mano Bruno, tão indignado quanto eu.


P.S - Votaram contra a obrigatoriedade do diploma ,os Ministros:Carmen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Eros Grau e Carlos Ayres Britto, Cesar Peluso, Elen Gracie, Celso de Mello
A favor:
Marco Aurélio Mello, que se declarou uma pessoa de "alma irriquieta" e votou contrário ao relator, sustentando a necessidade do curso superior em Jornalismo como critério básico para o exercício da profissão.
Ausências
Dos 11 ministros, dois não compareceram: Joaquim Barbosa e Carlos Alberto Menezes Direito

Marcadores: , ,

3 Comentários:

Blogger Vanda disse...

Socorro, Joni! Beijos, Vanda

19 de junho de 2009 05:23  
Blogger Fabio Cruz disse...

Joni, preciso falar com vc urgente, me envie um email no fabio@tullu.com.br

interesse nosso mesmo, sobre modelos e a comunidade negra.

aguardo contato.

paz e bem sempre.Axé

25 de dezembro de 2009 10:13  
Blogger magno disse...

Joni meu nome é Alexandre de Carvalho, vulgo ALEX o filho da toninha, eu preciso tenho uma história muito triste para lhe contar, posso contar ou não???
Passei quase dois dias amarrado em uma cadeira de fronte ao computador, amarrado, amordaçado, alimentado com pão velho e água de torneira e não podia nem ir ao banheiro, vc crê nisso mas é verdade.
Enquanto eu não achasse alguma forma de comunicar com vc, minha maravilhosa mãe só iria me liberar desse carcere privado, minha mãe que se chama Antonia C. Carvalho, que é terrivelmente conhecida pelo vulgo de TONINHA, que é proprietária do brechó "VELHARIA CHIC", vc deve ter algumas lembranças desses nomes?
envie um E-mail para wiccacarva@hotmail.com ou para alexcarva9@hotmail.com.
OBRIGADO E ME SALVE

22 de março de 2010 14:36  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial